A primeira regurgitada a gente nunca esquece

  

Hoje vi esse vídeo e morri de rir:

Todas as primeiras situações com o bebê são estressantes: o primeiro choro, o primeiro banho, a primeira vacina. Aos poucos a gente se acalma, se acostuma e conhece o bebê, então tudo melhora. 

Hoje lembro até de maneira divertida a primeira vez que Lucas regurgitou. Eu estava na sala e tinha acabado de amamentar. Meu marido ainda estava no quarto dormindo quando foi acordado por gritos meus chamando o nome dele. Lá estava eu apavorada de pé na sala com meu pijama azul marinho regurgitado até a cintura. 

Foi uma avalanche tão grande de leite quando coloquei o bebê para arrotar que eu sinceramente não sabia o que fazer, se 

( ) acudia o bebê

( ) limpava a roupa 

( ) corria da cadeira de amamentação pra não escorrer leite por todos os lados

( ) gritava (mais) para o marido acudir

( ) todas as alternativas anteriores

Meu marido chegou na sala e me encontrou tão branca quanto o leite regurgitado, apertando o bebê com medo que ele estivesse sentindo alguma dor ou estivesse assustado. E eu repetia para o bebê chorando (eu chorando, não o bebê) para ele ficar calmo, sendo que a única nervosa ali era eu. Coisas de mãe de primeira viagem! Pelo menos depois vira história para contar.

Lembrando que regurgitação e refluxo são coisas diferentes. Cerca de 50% dos bebês apresentam a volta do leite pela boca, ou seja, regurgitam. O que não significa que estejam doentes. Muito comum pais confundem regurgitação, que não interfere desenvolvimento do bebê, com o refluxo gastroesofágico, que merece atenção médica e, algumas vezes, medicações. 

“A regurgitação ocorre porque a válvula entre o esôfago e o estômago, conhecida como esfíncter esofagiano, ainda está se desenvolvendo. Normalmente, após a passagem do leite, ela fecha e segura o líquido. Com a imaturidade, o esfíncter relaxa e não faz seu trabalho. Por isso, o retorno de um pouco de leite após a mamada, quando o bebê arrota, ou mesmo um tempo depois em forma de “coalhada é normal. Trata-se de um tipo de refluxo fisiológico, ou apenas regurgitação, que acontece em algumas ou todas as mamadas. Ela também ocorre porque nem sempre é possível notar que o bebê mamou em excesso e encheu o estômago. Nesse caso, até um arroto mais intenso traz o líquido de volta. Regurgitar não tem nenhuma conseqüência para o bebê e não causa desconforto. Não há remédio que faça o esfíncter amadurecer mais rápido, o que vai ocorrer naturalmente entre 6 meses e 1 ano. Enquanto isso, é preciso muita calma e roupas extras.” (Fonte: http://www.pediatriaemfoco.com.br/posts.php?cod=87&cat=5)

Na dúvida se é regurgitação ou refluxo, procure o pediatra.