A doideira dos primeiros passeios com o bebê 

  
O primeiro grande passeio do Lucas foi numa festinha de criança. 

Nunca havíamos ficado tanto tempo fora de casa com ele. Eu, mãe louca pra sair da prisão domiciliar, tinha certeza de que o passeio daria certo. Certo deu, mas não sem antes mostrar, com um “tapa na cara”, o quanto pode ser doideira sair com um bebê. 

Foram 3 horas de preparação, quase o mesmo tempo da festa. Mamãe amamenta o bebê, papai toma banho nesse tempo. Papai sai do banho, mamãe troca as fraldas do bebê. Papai fica com o bebê, mamãe toma banho. Mamãe “demora”, bebê chora, mamãe atende o bebê, da colo e carinho, bebê acalma, fica com o pai, mamãe termina de se arrumar, mas é melhor amamentar mais um pouco antes que ele chore no caminho. Fez cocô, sujou o body, troca a fralda, troca a roupa. Bebê está pronto de novo. 

Estamos atrasados, a festa já começou. Começa a saga do check list do bebê – carrinho, malinha, fraldas, chupeta, etc, etc, etc. Lá se vai a família para o elevador. 
Volta tudo, esquecemos o presente do aniversariante! Corre, segura a porta do elevador, abre a porta de casa, bebê no colo, a chave cai. Papai solta a porta do elevador, acude a mamãe que segura o bebê, pega a chave que caiu no chão, corre pra pegar o presente, chama o elevador. Descemos. Papai tira o carro, guarda o carrinho, mamãe põe o bebê no bebê conforto. O bebê chora, não gosta do cinto de segurança. Põe a chupeta, a manta, dá a naninha, pega a mala do bebê. A bolsa da mamãe!!! Cadê a bolsa?? Achamos! Carro andando, bebê para de chorar e dorme. E lá vamos nós! Chegamos a tempo de cantar o parabéns! Ufa! 

Só depois de ser mãe é que realmente entendemos o que é logística.